Mulher balzaquiana

Mulher com M maiúsculo?
Só após os trinta.
É quando se aprende que amor é para dois
E se for para um, que seja para si mesma
É quando a sensualidade não é só um decote
E um bom vinho combina com tudo
Quando não é preciso ser radical
Pois o inverno da insegurança
Morreu em sua trigésima primavera
Ser Balzaca ainda não é ser Loba
Mas já se sabe uivar para a lua
E despida de medos, de alma nua
Se enxerga pela primeira vez
E vê que não é mais uma menina
Mas pode sê-la quando quiser
Quem acha os trinta o fim, concordo
É o fim do treinamento, início de jogo
É o fim do querer ser, sendo de fato
Mulher de trinta não é escolhida, escolhe
E aprecia quem a sabe apreciar
E não a tente enganar
Ela lê a verdade em teu rosto
E não abre mão do gosto
Da beleza de saber se amar.

Marina Mara
http://www.marinamara.com.br/2011/04/12/balzaca-roquenrou/

Julia Scheibel

Mestre em Comunicação com ênfase em Com. Organizacional. Possui MBA em Gestão da comunicação nas Organizações e graduação em Propaganda e Marketing pela Universidade Paulista (2003) com certificado de honra ao mérito pelo projeto Experimental RANTEC - Tecnologia em Ranicultura. Atuou nas áreas de comunicação das instituições públicas: Ministério da Educação, na Secretaria de Ensino Médio e Tecnológico pelo Programa PNUD, na Assessoria de Comunicação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão e no Ministério da Cultura. Há 10 anos no Sistema Indústria, iniciou na Gerência de Relações Públicas em organização de eventos de grande porte, gestão de softwares e projetos de relacionamento e hoje atua na gestão orçamentária, planos de ações, pareceres sobre pesquisas e gestão da comunicação da Diretoria de Comunicação do Sistema Indústria - CNI, SESI, SENAI. Atua também, como atendimento às entidade, na gestão e coordenação das apresentações diferenciadas dos Diretores e Presidência do Sistema Indústria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *